Processos de inspeção e triagem na linha de produção – O caminho para a excelência!

Mercado

Antes de falar sobre a importância dos processos de inspeção e triagem é fundamental contextualizar como e porque o mercado chegou à “linha de produção”. 

Já falamos em outros artigos sobre as revoluções industriais, então resumindo, a primeira Revolução Industrial surgiu basicamente após ser identificado um gargalo no processo artesanal da manufatura. A questão não estava ligada à qualidade e sim à produtividade. O processo era lento e com custo elevado. Com a chegada das máquinas no século XIX (1ª Rev. Industrial) as coisas começaram a mudar nesse contexto.

Chegando ao século XX, já em meio a 2ª Revolução Industrial, surge o conceito e modelo de linha de produção nos Estados Unidos. Também já foi chamado de “sistema de produção em massa” e popularmente conhecido por “fordismo”, por ter sido criado pelo empresário e fundador da Ford Motor Company, Henry Ford.  

A linha de produção criada por Ford tinha como base a divisão do processo industrial por etapas. Cada colaborador ou equipe de funcionários era responsável por uma parte do carro. Como todo processo em meio a uma revolução industrial, o trabalho era dividido entre homens e máquinas. Assim, a linha de produção tornava o processo mais lucrativo, chegando ao produto final de maneira mais rápida. Foi quando identificou-se a necessidade de criar o processo de inspeção e triagem para manter a qualidade.

Isso porque, por se tratar de uma “produção em série”, os funcionários não tinham a mesma destreza que os artesãos que conheciam o produto em sua totalidade; cada um conhecia apenas as particularidades da fase do produto onde atuavam. Com isso surgiu o processo de inspeção e triagem para garantir a qualidade do produto final.

Controle de Qualidade – Processos de Inspeção e Triagem

Quem já leu nossos outros textos sobre a rota das revoluções industriais ou até mesmo que se informou por outras fontes, sabe que o ápice deste caminho sempre passa pela automatização dos processos de produção para otimizar recursos. Porém, nesta ‘estrada’ aparecem obstáculos e desafios; como é o caso do ‘controle de qualidade’ em meio a toda tecnologia que envolve a produção em massa.

Para resolver essa questão surgiram os processos de inspeção e triagem, criado para garantir a qualidade do produto final.

Os processos de inspeção e triagem de uma linha de produção estão entre as competências que o engenheiro responsável precisa estar atento dentro de uma fábrica ou indústria; por isso é tão importante reconhecer todas as etapas necessárias da linha de produção e de como esses processos podem contribuir para que a mesma atinja alta performance.  

Inspeção e Triagem – Etapas para reconhecer o problema

A automatização na produção, seja com máquinas ou softwares já não é uma novidade. Profissionais que atuam na área sabem bem a importância disso e, por experiência, sabem também que, assim como qualquer processo, os automatizados estão sujeitos a falhas e erros. Dessa forma se faz tão essencial adotar os processos de inspeção e triagem dos produtos ao longo de toda a linha de produção.

Um dos grandes desafios das indústrias tem sido garantir a qualidade, mantendo a produtividade, reduzindo custos e atendendo as expectativas dos consumidores, que estão cada vez mais criteriosos. 

Gestão e Diálogo

O primeiro passo para qualquer gestão de qualidade, seja qual for o setor, é ter um diálogo aberto com os colaboradores que fazem o setor efetivamente funcionar. Boas idéias e sugestões surgem de um diálogo franco e aberto.

A otimização da linha de produção é fundamental e os gestores já sabem disso. Ainda assim é preciso ter atenção; afinal, a otimização passa impreterivelmente pela capacitação dos funcionários ou pela contratação de pessoas já habilitadas que entendam o processo, os sistemas e ferramentas; pois, o objetivo é aumentar a eficiência alinhando redução de custo com aumento da qualidade.

Atenção, automatizar não significa dizer que a máquina, por mais moderna que seja, será responsável por fazer tudo, ainda existem limitações. A otimização da linha de produção por exemplo, passa por etapas que vão além da tecnologia; e, nesse sentido, os gestores devem acompanhar os fatores e indicadores que sustentam essas etapas bem de perto, para:

  • Garantir os melhores fornecedores;
  • Desenvolver cronogramas;
  • Estabelecer metas para a equipe com gratificação; (o estímulo de performance funciona, mas você pode ser criativo e conhecer seu colaborador entendendo que, muitas vezes, um dia de folga pode ter mais valor do que um abono financeiro);
  • Otimizar a comunicação entre pessoas, setores e equipes;
  • Usar software de gestão é básico e faz parte da transformação digital – sem isso fica inviável qualquer automação ou otimização de processo.

Para conseguir colocar esses pontos em prática é fundamental ter mapeado os processos, com atenção minuciosa às necessidades, micro e macro, dos clientes. Isso irá facilitar o ajuste dos tópicos citados bem como contribuir com decisões mais assertivas para fazer uma gestão de resultado. Por fim acompanhar os dados, de produtividade e performance, por meio das ferramentas implantadas na transformação digital será essencial para identificar gargalos, problemas ou falhas, contribuindo ainda em novas soluções de logística.

Tecnologia e Matéria Prima

Assim como uma boa receita precisa ter ingredientes de qualidade para resultar em um bom prato, podemos fazer uma analogia com o produto final de uma indústria, que para ser bom precisa de uma matéria prima excelente, neste caso para garantir essa excelência existem muitos parâmetros e diretrizes a serem cumpridos. 

Aqui vale a ressalva para os gestores identificarem, por meio de pesquisa interna, os principais pontos de um bom fornecedor de matéria prima. Saber se são certificados pelas normas reguladoras, se possuem os selos ISO de qualidade e procedência, tempo de entrega, custos, negociação, logística, etc.

Estes fatores cabem para as diversas matérias primas que abastecem os mais variados segmentos industriais; que seguem um plano de gestão para a linha de produção. Afinal, a matéria prima é fator determinante para a qualidade do produto final; e isso independe de otimização ou automação de processos. Esteja atento na hora de identificar um bom fornecedor. A linha entre custo e investimento é tênue e permeia os valores da empresa.

Assim chegamos ao investimento em tecnologia. Máquinas modernas, que otimizem recursos e automatizam processos podem garantir qualidade, performance e destaque frente a concorrência.

Seja para o setor alimentício, farmacêutico entre outros, a Wenen possui em sua linha de produtos equipamentos desenvolvidos para detectar uma vasta gama de contaminantes em diversos tipos de produtos, por exemplo, detectores de metais em linhas de produção alimentícia, garantindo que nenhum produto saia da linha contaminado, cumprindo assim as normativas da ANVISA e cuidando da saúde de seus clientes. Esse é só um exemplo de como máquinas e sistemas tecnológicos podem ajudar sua indústria no processo de qualidade da cadeia produtiva que está diretamente ligada aos processos de inspeção e triagem.

Na hora de comprar uma máquina, um software ou alguma ferramenta tecnológica para auxiliar na gestão ou na linha de produção, é preciso saber escolher bem, é fundamental questionar o fornecedor sobre como seu sistema influenciará no cronograma do ciclo da produção.

  • Garantia e Suporte Técnico;
  • Cronograma de Manutenção; 
  • Em caso de seminovos, ter o parecer de um engenheiro especialista que conheça bem e consiga avaliar o estado geral da máquina; 
  • Se for possível, realizar um teste para verificar o funcionamento da máquina ou do software;
  • Devolução em caso de problemas técnicos.

E fique atento! Qualquer problema que paralise a linha de produção pode causar grandes prejuízos. Certifique-se sobre todos os fatores. Antecipe o que for possível e tente prever até mesmo os imprevistos. 

Avaliação, Análise e Testes

Garantir excelência e mitigar falhas e riscos em todas as etapas da cadeia produtiva é extremamente custoso, por este motivo algumas empresas se especializam em determinadas etapas da linha de produção, como é o caso de negócios que atuam especificamente no controle de qualidade implantando processos de inspeção e triagem de produtos ou prestando serviços de auditoria.

Essa terceirização tem se tornado comum, contudo é importante avaliar o que pode ser melhor para sua empresa: a contratação terceirizada de inspeção e triagem ou manter uma equipe interna. Com a transformação digital é possível avaliar, através de um software de gestão, qual a solução mais eficiente ou com melhor custo benefício para sua empresa.

Vale lembrar que para fazer testes e chegar a uma qualidade de excelência é fundamental definir parâmetros e diretrizes para cada tipo de produto e, por vezes, a triagem se dá em diferentes etapas na linha de produção. 

A fase da triagem pode se dar em mais de uma etapa e é, na verdade, a essência do controle de qualidade, influenciando inclusive na organização logística entre o começo, com o fornecimento da matéria prima, até a entrega do produto final.

A inspeção é feita, geralmente durante todo o processo, em cada etapa. Da seleção da embalagem, à produção e envase. Lembrando também que as inspeções têm normas para seguir, por exemplo, no caso da indústria alimentícia

Publicado em 06 agosto de 2020

Open chat
Fale com um especialista
Olá, Podemos Ajudar?