Gerenciamento de resíduos – Controle e boas práticas

Mercado

Antes de falar especificamente sobre o gerenciamento de resíduos, meios de controle e boas práticas, é importante contextualizar este conceito. De modo geral resíduos são as sobras dos processos decorrentes das atividades humanas ou animais. Neste cenário consideramos os processos produtivos oriundos de matéria orgânica, lixos residenciais, efluentes industriais, entre outros.

Identificar estratégias e usar tecnologias, sofisticadas ou não, que facilitem o gerenciamento de resíduos e uma maneira inteligente de reduzir gastos no universo empresarial e gerar receita.

A geração de resíduos que empresas e residências produzem juntas somam quase 80 milhões de toneladas ao ano; Os dados são de 2018 da Abrelpe – Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais.

O problema é antigo e para resolver envolve, tanto o descarte correto quanto outras práticas para reduzir o volume do que é considerado lixo. Mais de 40% do lixo no Brasil é destinado ao local errado. Isso incorre entre outras coisas em contaminação ambiental e um grave problema de saúde pública.

Para erradicar os aterros sanitários, uma das metas do PNRS, é fundamental instrumentalizar a cadeia produtiva. Das ações mais simples como a coleta seletiva que segue para a triagem, às tecnologias de ponta como a incineração de resíduos atrelado ao reaproveitamento de gases como energia limpa.

Gerenciamento de resíduos – a importância deste controle

A Lei nº 12.305/10 que instituiu o PNRS – Política Nacional de Resíduos Sólidos no Brasil, é um dos instrumentos mais relevantes atualmente que regulamenta o avanço do ponto de vista socioeconômico nacional em sintonia com a sustentabilidade e o enfrentamento dos principais problemas ambientais no país.

O manejo inadequado dos resíduos pode causar impactos irreversíveis, por isso a fiscalização tem sido rigorosa para conter os avanços nocivos de práticas insustentáveis do ponto de vista ambiental.

A lei é extremamente ampla e, entre outras coisas, responsabiliza os geradores de resíduos, bem como regulamenta medidas compensatórias entre outras diretrizes para que todo o ciclo de vida do produto seja pautado em um caminho sustentável; da extração da matéria prima ao reaproveitamento do resíduo gerado na produção, e ainda, a indicação ao consumidor para que faça a destinação correta após o uso. Do produtor ao consumidor, tudo está conectado! Por isso é importante sinalizarmos tecnologias e boas práticas que soldam o elo desta corrente.

Tecnologias de controle e Boas práticas

Dentro do setor industrial é de suma importância que a gestão ambiental seja feita adequando o gerenciamento dos resíduos, em conformidade com a legislação de acordo com o segmento e atividade industrial. Afinal, a indústria química gera um tipo de resíduo e a alimentícia outro. O setor hospitalar tem resíduos altamente contaminantes assim como a indústria metalúrgica. Logo, cada um deve observar as particularidades do seu nicho.

Para isso é necessário encontrar soluções adequadas a realidade de cada atividade poluidora por meio de ações práticas de gestão ambiental.

O controle na geração de resíduo é uma dessas ações; as análises ambientais solicitadas nas respectivas licenças para exercer tais atividades, também.

Não é novidade que o lixo de um é, hoje, a matéria prima do outro. Este ciclo gera receita e diminui custo. Em outras palavras, o que seria um prejuízo, financeiro e ambiental, se torna a solução que vai gerar receita, preservar o meio ambiente e deixar a empresa em conformidade perante a lei de sustentabilidade.

Fazer  uma parceria de quem gera o resíduo com quem o trata é uma ferramenta ou tecnologia inteligente que exige pouco ou nenhum investimento.

Alguns exemplos de boas práticas que podem ser associadas a novas tecnologias são:

  • Compostagem industrial, que pode ser usada como adubo ou biomassa;
  • Coleta seletiva, que pode ser feita parceria com empresas de triagem ou programas sociais;
  • Programa interno de educação ambiental – pautado nos 3 Rs
  • Entre outras em conformidade com o sistema ISO 14001

Reduzir para Controlar

A gestão de resíduos passa impreterivelmente por um controle e mapeamento de recursos. O melhor cenário é conseguir reduzir, e para isso controlar o desperdício é um caminho; conhecer formas de reaproveitá-los, é outro. Quando não for possível, a parceria já citada é uma boa alternativa.

Analisar cada etapa do processo produtivo também pode ajudar nesse controle e redução, que vai economizar recursos e pode até mesmo encontrar materiais menos agressivos ao meio ambiente potencializando assim o valor sustentável do seu produto final.

A gestão ambiental costuma levar em consideração, entre outros fatores:

  • A quantidade de matéria prima;
  • Os métodos para reduzir a geração de resíduos;
  • A toxicidade de produtos usados;
  • Os meios para reutilizar o resíduo gerado;
  • As análises de concorrentes que adotam soluções sustentáveis;
  • Os materiais biodegradáveis ou que em sua composição agridam menos o meio ambiente;
  • Pesquisas de empresas tratadoras de resíduos .

Traçar estratégias que reduzem a quantidade de resíduos deve fazer parte dos valores da empresa, além de obedecer a questão legal e promover consciência ambiental, transformando gastos em lucro.

Programa de Gerenciamento de Resíduos e Sustentabilidade – Wenen

Os equipamentos Ink Jet Domino comercializados pela Wenen estão contemplados no programa de coleta de resíduos da Sunnyvale. Assim, todos os nossos clientes que adquirem tal equipamento recebem junto uma carta explicativa de como funciona o programa de recolhimento para a futura incineração dos resíduos resultantes do processo industrial de tal maquinário. 

São recolhidas embalagens de fluídos e os resíduos provenientes dessa utilização. O objetivo é minimizar ao máximo o impacto ambiental e dar a destinação correta ao passivo químico contaminante gerado. Assim caminhamos dentro da logística reversa com responsabilidade e, por fim, destacamos que toda gestão deve ser trabalhada de maneira integrada. Tornando então mais fácil mitigar os riscos e alcançar as metas. 

Esperamos que tenham gostado do conteúdo e tenham todos uma ótima gestão!

Publicado em 01 dezembro de 2020

Open chat
Fale com um especialista
Olá, Podemos Ajudar?